quinta-feira, 26 de maio de 2016

Morre, às vésperas da festa junina, o cantor e instrumentista maranhense Papete

Papete se apresentou em Chapadinha em 2012, na Praça do povo, no "Arraial da Chapada das Mulatas" 
 
SÃO LUÍS – Morreu, na madrugada desta quinta-feira (26), o cantor e instrumentista maranhense Papete Viana, aos 68 anos. O artista estava internado em São Paulo desde o início deste ano para tratamento de um câncer de próstata.
A notícia da morte de Papete foi divulgada no início da madrugada desta quinta (26), no perfil do cantor no Facebook. O texto, divulgado pela família do instrumentista, afirma que o corpo de Papete será velado em São Luís, para que o artista maranhense receba as últimas homenagens na capital em que tanto encantou com seu talento.
A doença
Papete descobriu o câncer no início do ano e foi internado em um hospital de São Paulo. Em fevereiro, a família do cantor chegou a desmentir boatos de que ele estava em estado terminal da doença, em comunicado divulgado pela esposa e pela filha do artista.
Já no mês de março, o próprio Papete usou as redes sociais para agradecer aos amigos, fãs e admiradores, que estavam torcendo pela sua recuperação.
E, no último dia 16, parentes do cantor anunciaram, por meio das redes sociais, que Papete não faria shows durante o São João, pois, ainda estava internado e não tinha previsão de alta. A notícia entristeceu os amantes da cultura maranhense, já que Papete era figura marcante no período junino no Maranhão.
Leia também:
Carreira
Com quase 40 anos de carreira musical, José de Ribamar Viana, conhecido artisticamente como Papete, era natural de Bacabal no Maranhão. Ele marcou o cenário musical com a valorização dos ritmos brasileiros e maranhenses, além de sua performance na percussão, o que lhe rendeu prêmios nacionais e internacionais.
O artista chegou a trabalhar em parceria com diversos artistas do país, entre eles Toquinho, Tom Jobim e Rita Lee. Um dos últimos trabalhos de Papete foi a obra “Os Senhores Cantadores, Amos e Poetas do Bumba Meu Boi do Maranhão”, lançado em maio de 2015. O livro é um acervo completo, único e inédito de entrevistas, fotos, pesquisas e demais detalhes sobre aqueles que fizeram e fazem acontecer essa manifestação cultural.
Por meio de nota, a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney lamentou a morte de Papete. Para ela, o cantor maranhense marcou o país com grandes canções e tornou inesquecível a festa junina.
Veja a nota de pesar na íntegra
"O Brasil perde um grande artista. Músico, percussionista de fama internacional, compositor e intérprete, nos deu grandes canções e tornou inesquecível a festa junina, especialmente aqui no Maranhão. Meu amigo pessoal, hoje é um dia de muita tristeza para mim e para todos que com ele conviveram. Que Deus conforte a família, os amigos, e que Papete siga em paz."
Compartilhe via: