sexta-feira, 6 de maio de 2016

Vai visitar o Hospital Regional de Chapadinha, governador? Mas vai dizer quando inaugura?

Chapadinha não aguenta mais tanto desprezo do governador Flávio Dino para com sua população. E olha que ele é "filho de Chapadinha", pois recebeu da Câmara Municipal um título de cidadão chapadinhense, sem nunca ter feito nada pelo município.

Todos sabem que, para prejudicar a prefeita Belezinha, que não o apoiou na eleição passada, ele simplesmente mandou bloquear todos os convênios e paralisar obras que já estavam em andamento, como a reforma do Mercado Central, a do Hospital regional, que já estava em 95% e a do Centro de Hemodiálise, que sequer iniciou. Os terrenos do hospital e do Centro de Hemodiálise foram doados pela prefeitura.



A obra do hospital é tão misteriosa, que ninguém pode entrar pra saber o que está acontecendo. Fizemos recentemente uma matéria mostrando como são tratados os que se "atrevem" a querer mostrar tal obra. Veja no vídeo abaixo:



Moradores da Aparecida e da Via Isamara também estão insatisfeitos com o governador. Há mais de quatro meses ele mandou uma equipe para Chapadinha, fizeram uma festa, pra anunciar o asfalto e até agora nada.

Alunos do colégio Dr. Paulo Ramos também não estão nem um pingo alegres com ele (veja aqui). A reforma da escola já dura mais de quatro meses e nada de terminar. Pra não se atrasarem mais ainda no ano letivo, eles foram remanejados para duas escolas municipais, que, aliás, são climatizadas.

Pra não dizer que não está fazendo nada por Chapadinha, ele virá amanhã, inaugurar um certo restaurante popular, que deixa algumas dúvidas quanto à escolha do local que foi alugado, tanto pelo tamanho do ambiente, que é bem apertadinho para quem disse que vai ofertar mil refeições por dia, quando pelo suposto valor do aluguel, que seria de R$ 25 Mil, segundo o secretário de infraestrutura de Chapadinha denunciou em recente entrevista à Rádio Mirante.

A pergunta é: por que alugar um ponto por um valor absurdo, em vez de construir o restaurante em terreno próprio, que já existe? O terreno já foi doado pela prefeitura, mas o estado simplesmente relaxou o terreno e preferiu alugar um "corredor" pra deixar as pessoas apertadinhas.

Em evento realizado ontem, no auditório da prefeitura, a prefeita Belezinha perguntou a uma das gestoras dos restaurantes populares, porque o estado não construiu no terreno. A representante do estado disse que não foi construído por falta de recursos. Agora, meus amigos, vejam bem: se for mesmo este valor, de R$ 25 Mil por mês, o aluguel, em dois anos teríamos R$ 600 Mil.

Isso mesmo: 600 Mil Reais. Daria para construir um baita dum restaurante e ainda sobraria um pouco para "otras cositas más" .

Esperamos apenas que alguém esclareça essa história de aluguel de 25 Mil Reais, pois ninguém é bobo de aceitar isso e ficar calado.

Sr. Governador, vamos trabalhar e deixar de perseguir desafetos políticos. A população só tem a perder com isso e seu ibope vai lá pra baixo, mais do que já está.
Compartilhe via: