quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Sequestradores de Chapadinha são apresentados durante coletiva de imprensa, em São Luís

Um é piauiense, de Barras, e o outro é maranhense, de Água Doce; Eles foram presos após praticarem três assaltos a estabelecimentos comerciais e sequestrarem três idosas.



Na tarde de ontem (18), Juraci Araújo de Jesus, o Cabeludo, Lourinho ou Amarelo, de 36 anos, e Marcos de Sousa Santos, o Marcos Gago ou Pop Cem, de 30 anos, foram apresentados à imprensa em coletiva ocorrida na sede do Comando Geral da Polícia Militar, no Calhau. Segundo a polícia, a dupla é acusada de ter instalado o terror na cidade de Chapadinha na segunda-feira, 17, assaltando um posto de combustível, uma casa lotérica e uma revendedora de gás e ainda invadir uma casa e sequestrar três idosas. Eles eram considerados foragidos da Justiça.
O delegado da cidade de Buriti, Josemar Rocha, que estava de plantão em Chapadinha e acompanhou toda a ação criminosa, afirmou que eles foram autuados por roubo em concurso com pessoas, roubo qualificado com uso de arma de fogo, sequestro, cárcere privado e tentativa de homicídio. Eles vão ficar presos no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, à disposição do Poder Judiciário.
Josemar Rocha informou ainda que a Superintendência da Polícia Civil do Interior (SPCI) designou ontem os delegados Jackson Ferreira e Jairo Timbó para investigar a vida dos criminosos. A prisão deles em flagrante foi convertida em preventiva, e a polícia tem o prazo de 30 dias para investigar o caso e encaminhar o inquérito à Justiça.
O delegado disse que Juraci de Jesus é natural da cidade de Barra, no estado do Piauí, e ainda tem um mandado de prisão em aberto pelo crime de tentativa de homicídio pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Teresina, capital piauiense, mas no momento morava em Santa Quitéria. Marcos Gago nasceu no município maranhense de Água Doce e era fugitivo da Delegacia de Araioses.
Esse criminoso em companhia de Manoel de Jesus da Rocha Araújo, o Braulinho, teria fugido dessa delegacia no dia 5 de abril deste ano, após o banho de sol. No dia posterior, a polícia ficou sabendo de que Braulinho tinha sido morto e o corpo removido para o hospital dessa cidade.
Ainda segundo o delegado, Juraci de Jesus e Marcos Gago teriam chegado a Chapadinha a cerca de duas semanas e estariam cometendo vários assaltos a transeuntes e estabelecimentos comerciais até mesmo em cidades adjacentes. “Essa dupla criminosa pode ter agido tanto em Chapadinha quanto em outros municípios próximos, mas estamos investigando”, declarou Josemar Rocha.
Terror
O delegado da Regional de Chapadinha, Jackson Ferreira, disse que os dois criminosos instalaram o clima de pavor na cidade. Eles, por volta das 7h30 de segunda-feira assaltaram uma casa lotérica, no bairro Areal, onde levaram a quantia de R$ 5 mil, e em seguida, assaltaram o posto de combustível, no bairro Boa Vista.
Eles estavam circulando pela cidade em uma motocicleta Bros 150, vermelha, de placa não anotada e que teria sido tomada de assalto na cidade de Anapurus, no mês passado. O terceiro alvo dos marginais foi a revendedora de gás, no Campo Velho. O delegado declarou que nesse local, os assaltantes renderam o vigilante, tomaram arma de fogo e fizeram um raspa no cofre, mas na hora da fuga foram interceptados por uma guarnição da Polícia Militar.
Eles, para escaparem do cerco policial acabaram invadindo uma residência e fazendo reféns quatro pessoas e, entre elas, três idosas com idade de 90, 65 e 60 anos. Uma das vítimas, identificada como Netinho do Vale, de 36 anos, conseguiu fugir pulando o muro dos fundos dessa casa.
Todo o policiamento da área foi deslocado para o local do sequestro, com a presença dos delegados Josimar Rocha, Jackson Ferreira, e representantes da Defensoria Pública, da Ordem dos Advogados do Brasil da Seccional do Maranhão, do coronel da Polícia Militar Eduardo Vaz e do juiz Cristiano Simas. No decorrer da negociação, os criminosos chegaram a exigir munição, a presença da imprensa, de carro com motorista e uma quantia no valor de R$ 15 mil.

Somente no começo da noite os dois marginais se entregaram à polícia e foram encaminhados para o Centro de Triagem de Pedrinhas. As idosas receberam cuidados médicos e ontem foram ouvidas por profissionais da área da psicologia. “O momento mais tenso foi justamente na hora em que os criminosos pretendiam atear fogo nas vítimas. Eles chegaram a jogar álcool nos corpos delas”, afirmou o delegado.
De O Estado MA 
Compartilhe via: