.

.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Brejo faz mobilização contra o trabalho infantil



Blog do William Fernandes

A prefeitura de Brejo/MA, por meio da secretaria municipal de Assistência Social, que tem à frente a secretária Cláudia Oliveira, realizou no último dia 12, com as equipes do CREAS e do CRAS, uma mobilização no povoado Palestina, sobre o combate ao trabalho infantil.

Foi feita panfletagem e visitas nas casas, com orientações à população.

Trabalho Infantil

A Constituição Federal, em seu artigo 7º, proíbe no Brasil o trabalho noturno, perigoso ou insalubre aos menores de 18 anos e qualquer trabalho aos menores de 16 anos, salvo na condição de aprendiz, a partir dos 14 anos.

Nos últimos 20 anos, com a adoção de políticas públicas voltadas a esse problema, o Brasil reduziu de maneira significativa o número de crianças e adolescentes que trabalhavam no pais.

Entretanto, muito ainda precisa ser feito para a erradicação do trabalho infantil em todo o território nacional. Estudos demonstram que trabalho infantil prejudica o desenvolvimento físico, psicológico e intelectual das crianças e dos adolescentes que o exercem.

Esses jovens são afastados do convívio familiar e perdem o tempo valioso que teriam para brincar, descansar e estudar, além de ficarem vulneráveis a diversas formas de violência. O trabalho precoce pode, também, levar à queda do desempenho ou ao abandono escolar.

Por vezes, também acaba conduzindo essas crianças e esses adolescentes a uma vida adulta limitada, na qual exercem subempregos, com salários baixos e em condições degradantes.

Esses fatores acabam contribuindo para perpetuação da pobreza e a reprodução das desigualdades sociais. Além disso, pesquisas apontam a existência de uma estreita relação entre o trabalho infantil e a pobreza.

De acordo com esses estudos, famílias mais vulneráveis tendem a empregar mão de obra infantil em suas lavouras, comércios e em serviços domésticos não remunerados.

Esses mesmos estudos mostram que as taxas de trabalho infantil aumentam em regiões afetadas por secas, inundações e más colheitas, pois, para amenizar os danos econômicos sofridos, as famílias acabam utilizando seus filhos como mão de obra.
Compartilhe via: