.

.

sábado, 17 de junho de 2017

Choro e sorrisos: a emoção tomou conta do encerramento dos XIII JECs

Por William Fernandes – sexta, 16 de junho de 2017

Com o ginásio Nonato Vale completamente lotado e a presença da estrela do basquete feminino brasileiro, Iziane Castro, a emoção tomou conta dos jogos que definiram os campeõs no basquete e futsal masculino e feminino da 13ª edição dos JECs Jogos Escolares Chapadinhenses.

Breve vamos postar mais de 100 fotos do encerramento

 
Nas arquibancadas as torcidas mais uma vez deram um show de animação. Em quadra, os times fizeram jogos cheios de emoção. Teve tempo também para a graciosidade das cheerleaders (líderes de torcida) do Colégio Raimundo Araújo, que este ano contaram com a participação de um “pelotão” masculino.


Como esporte e cultura sempre andaram juntos, o Boi da Chapada deu o seu ar da graça exibindo novos integrantes, após a última partida da tarde, Raimundo Araújo 2 e 3 Colégio Batista Chapadinhense - CBC, no futsal masculino infanto.



O jogo que deu o título e a vaga na etapa regional ao CBC teve emoção do começo ao fim. O Batista abriu 2 a 0, mas o CERA diminuiu ainda no primeiro tempo. Mas no segundo, o Batista fez 3 a 1 e chegou a desanimar até a explosiva torcida do Raimundo Araújo, que chegou a diminuir para 3 a 2, faltando poucos minutos para o fim, mas não conseguiu o empate.

A DERROTA QUE MARCOU

A comemoração dos torcedores do Batista, no futsal infanto, foi muito bonita. Mas nada marcou mais que a reação de torcedores, jogadores e comissão técnica do Raimundo Araújo



 

Após o apito final, muita comemoração e até invasão de quadra pela torcida do CBC. Mas tão emocionante quanto a comemoração dos campeões, foi ver a expressão de incredulidades dos jogadores e torcedores do Raimundo Araújo, que ficaram por alguns minutos, num silêncio ensurdecedor, olhando para dentro da quadra, sem entender o que havia acontecido. O choro tomou conta de jogadores, comissão técnica e até de torcedores. Uns consolando aos outros.



Foi mais um recado do esporte, aos governantes, que, se investirem um pouco mais e de maneira correta, teremos mais choro sim, mas de alegria e emoção por uma disputa que, em vez de destruir e afastar, une cada vez mais os povos.
Compartilhe via:
Postado em