quarta-feira, 14 de junho de 2017

Para a polícia, namorado é o principal suspeito da morte da servidora pública Maria Adreane

Do  Portal  CN1

Quarta-Feira, 14  de junho de 2017


Ao Portal CN1, a Polícia Civil de Santa Quitéria  informou que, conforme apontam as investigações,  o homicido ocorreu na segunda-feira (12).  O corpo da servidora pública  Maria Adreane Gomes da Silva, 30 anos,  foi encontrado na manhã de terça-feira (13),  em um matagal próximo ao matadouro Municipal, dois dias depois de Adreane ter saído de casa.

ATUALIZADA: Preso um dos irmãos envolvidos na morte da funcionária da prefeitura de Santa Quitéria/MA







De acordo com o  delegado Fábio Henrique Braga Aragão, os familiares da  servidora Maria Andriene Gomes, comunicaram ainda no domingo (11) o seu desaparecimento. "De imediato um investigador e policiais militares saíram em busca de informações sobre o desaparecimento. Familiares informaram, que a vítima teria sido vista  na companhia do  namorado de nome "Julimar" na noite anterior", disse  o delegado.

O delegado informou ainda, que no domingo (11),  assim que soube que teria sido visto em companhia da vítima, Julimar  se apresentou acompanhado por um advogado na delegacia, e na qualidade de informante ele foi  ouvido,  e como não tinha mandado de prisão, o mesmo  foi liberado.

Delegado Fábio Aragão

Julimar, negou ter qualquer participação no desaparecimento da vítima. "Ate  o momento estava sendo investigado o  desparecimento da servidora, pois não tinha  sido comprovado a morte da vítima", destacou o Dr. Fábio Henrique.

Dando continuidade nas investigações, os policiais conseguiram  através de Câmeras de segurança, momento em que a vítima passou na companhia de um homem em uma moto modelo Honda Pop de cor vermelha.


Ao representar pela prisão temporária do suspeito "Julimar", o delegado foi informado que o mesmo já tinha fugido de sua residência, tomando rumo ignorado.

O delegado Fábio Aragão informou que acredita que o crime se trata de homicídio e que o autor já conhecia a vítima, e  que continuará com as  investigações e garantiu que prenderá os envolvidos neste crime bárbaro.  

Esclarecimento                

O delegado Fábio Aragão esclareceu que o ordenamento jurídico brasileiro só  admite prisões no caso de flagrantes e por ordem judicial, não se admitindo a prisão  provisoria de suspeito sem determinação judicial. O delegado ainda relatou, que mesmo com o estado de violência que vivemos, este crime chocou toda sociedade quiteriense e todos os profissionais que fazem a segurança publica deste estado.

O delegado finalizou dizendo que,  fará todos os esforços  e colocará o aparato da segurança pública para prender os envolvidos neste crime.       
Compartilhe via: