....

....

...

Galo da Chapada joga mal e perde invencibilidade para o Pinheiro em “casa”



Apesar da derrota, o Chapadinha divide a liderança com Timon e Juventude; O Pinheiro fica em quarto lugar.

Por William Fernandes – sexta, 12 de outubro de 2018

Em jogo válido pela quarta rodada da Série B 2018 do Campeonato Maranhense, na tarde de quinta, 11 de outubro, no Estádio Batistão, em Anapurus, o Chapadinha FC perdeu para o Pinheiro AC, de virada, por 3 a 2. Além de perder a invencibilidade, o Galo deixa de ser o único time com 100% de aproveitamento e vê ameaçada a chance de terminar a primeira fase em primeiro lugar. O Pinheiro passa a ser o único invicto.

O Chapadinha andou longe de repetir as boas atuações dos jogos anteriores, quando venceu o Timon, fora de casa, por 3 a 1 e venceu o Juventude por 1 a 0, em Anapurus, onde está mandando seus jogos, por que o estádio Lucídio Frazão não está em condições. Apesar de ter ficado duas vezes na frente do placar, o time do Galo atuou de forma displicente e perdia muitas jogadas fáceis, proporcionando perigosos contra-ataques ao Pinheiro, que parecia ver o empate como um excelente resultado.

O galo saiu na frente aos 28 minutos do primeiro tempo, com Naôh, após uma cobrança de escanteio. Dez minutos depois o PAC empatou, também em jogada de bola parada. O lateral esquerdo Pedro Júnior cobrou falta na área do Galo e o atacante Lentini se antecipou aos zagueiros e fez de cabeça, livre de marcação, aos 38 minutos.

Aos 47, Cléo cobrou falta e o goleiro Jaílson bateu roupa. Na sobra, Paulo Vítor fez o segundo do Chapadinha.

Segundo tempo

O Chapadinha começou o segundo tempo mais ligado e dando pressão no Pinheiro. Parecia que iria ampliar a qualquer momento. Mas em outra jogada de bola parada, parecida com a do primeiro tempo, o Pinheiro chegou ao empate novamente. Falta cobrada na área, bobeira da zaga chapadinhense e o zagueiro Lucas Costa ficou livre, na frente do goleiro Mateus. Ele ainda ajeitou no peito e fuzilou para o fundo do gol: 2 x 2.

Catimba

Com o gol de empate, o Pinheiro, que já catimbava desde o primeiro tempo, passou a exagerar. A cada trombada com jogadores do Chapadinha os jogadores caiam rolando no chão fazendo grande drama. Após minutos de paralisações, para atendimento e saírem de maca, os jogadores se levantavam rapidamente e retornavam ao jogo.


Alguns jogadores do Chapadinha reclamaram muito da cera e acabaram levando cartões amarelos. Aos 33 minutos, em jogada de ataque do Pinheiro, o goleiro Mateus sofreu falta dura e teve um corte no supercílio. O jogador do Pinheiro que cometeu a falta foi expulso e o jogo ficou parado durante 7 minutos e meio para atendimento ao goleiro.

Mesmo com um jogador a mais, o Chapadinha não conseguia oferecer muito perigo ao Pinheiro, que continuava catimbando. Em duas paralisações seguidas, para atendimentos a jogadores do Pinheiro, o jogo ficou parado por mais de 3 minutos, revoltando torcida e jogadores do Galo.   

Mesmo com tantas paralisações, sendo mais de 10 minutos apenas para atendimentos aos jogadores, além das seis substituições, o árbitro deu apenas cinco minutos de acréscimo. Houve muito protesto da torcida e dos jogadores do Chapadinha.

O técnico Santos, que já havia colocado dois atacantes em campo, em meados do segundo tempo, recuou nos minutos finais. Vendo a fragilidade da equipe, mesmo com um jogador a mais, resolveu colocar o zagueiro André Penalva, que seria para evitar os perigos das bolas altas lançadas na área.

Para a infelicidade geral da torcida do Galo, o zagueiro André Penalva perdeu uma bola que estava inteiramente sob seu domínio, para o atacante Neto, na entrada da grande área. Eram 49 minutos, e ele não desperdiçou a chance: 3 a 2 para o Pinheiro, que comemorou muito. Não era para menos. Para quem já se contentava com um empate, jogando na casa do único time com 100% de aproveitamento, uma vitória seria um presentão.

No minuto seguinte, o árbitro encerrou a partida e parte da torcida protestou contra a atuação irreconhecível do time. O atacante Piu Piu, que entrou aos 29 minutos do segundo tempo, lamentou a derrota e reconheceu que o time não jogou bem.

Problemas internos

Informações de bastidores dão conta de que o time está passando por dificuldades em relação a transporte para treinar todos os dias em Anapurus, alimentação inadequada e em relação a pagamento de salários. Um integrante da comissão técnica, que não quis revelar o nome, disse que isso influenciou no rendimento da equipe e que se preocupa com os jogos seguintes.

Próximos jogos

Domingo (14) o Chapadinha vai a São Luís, enfrentar o Expressinho, no Castelão. Com apenas um empate o time assume a liderança isolada do campeonato.

No outro jogo da rodada, o Pinheiro recebe o Juventude, que este ano está mandando seus jogos na cidade de Bacabal.

Veja como ficou a classificação após a quarta rodada:



Atenção! Comentários abusivos e desrespeitosos serão deletados. Nem tente.
EmoticonEmoticon