ALERTA! São Luís possui depósito de resíduos quase do tamanho da Lagoa da Jansen - Blog do William

Blog do William

Blog do William - Notícias de Chapadinha e do Baixo Parnaíba Zap: (98) 99210-7825 Anapurus, Mata Roma, Brejo, São Bernardo, Santa Quitéria, Urbano Santos, Belágua, São Luís, Milagres do Maranhão, São Benedito,

Home Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Your Ad Spot

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

ALERTA! São Luís possui depósito de resíduos quase do tamanho da Lagoa da Jansen


Reportagem: O Imparcial

Uma lagoa  quase do tamanho da Lagoa da Jansen, existe próximo à BR-135, área industrial de São Luís. Trata-se de um depósito de resíduos de bauxitas de uma grande empresa de produção de alumínio, localizada na capital. A lama vermelha, resíduo da indústria de beneficiamento do alumino, é gerada a partir do refino da bauxita para produção de alumina (Al2O3) através do processo Bayer.

A empresa Alumar acumula uma volumosa quantidade de rejeitos, nas chamadas “lagoas de lama”, fruto do processo de redução de bauxitas. Os lagos assemelham-se aos depósitos de resíduos de Mariana (MG), que romperam recentemente, causando vários crimes ambiental. As lagoas de resíduos de São Luís estão em operação desde que a multinacional instalou-se em São Luís nos anos 1980, no governo João Castelo, fruto do consórcio entre Alcoa (EUA), HPP Billiton (Grã-Bretanha), Alcan (Canadá) e Albaco (EUA/Austrália), apesar de nunca ter acontecido acidentes ambientais o deposito já sofreu várias denunciada por entidades ambientais por conta dos riscos.

De acordo com o doutor em saneamento sanitário Lúcio Macêdo, se caso houvesse um rompimento ou vazamento desta “lagoa de lama” poderia gerar diversos problemas para o meio ambiente. Uma vez que nestes resíduos possuem substâncias como chumbo, mercúrio, cádmio, níquel, zinco, soda caustica e alumínio.

O especialista explica que um dos primeiros problemas seria o empobrecimento do solo. O solo não teria condição alguma de sustentar nenhum tipo de vegetação. Outro grande inconveniente seria a contaminação das águas superficiais e subterrâneas. Porém Lúcio Macêdo ressalta que alguma proposição desta aconteceria apenas se a “lagoa” transbordasse.

Quanto ao risco para a vida humana, ele esclarece que se caso houvesse comunidades no entorno da “lagoa de lama”, as pessoas teriam prejuízos para a saúde. Problemas relacionados ao sistema nervoso, problemas gástricos e todo o solo afetado teria que ser esterilizado. “Mas não há esse risco, pois as comunidades próximas estão a 3 km de distância, então o risco é zero. Mesmo assim é necessário ser coletado amostras do solo para verificar se está tudo dentro dos parâmetros legais”, explicou.
Entramos em contato com a assessoria da Alumar, por meio de telefone e e-mail e até o fechamento desta matéria não obtivemos resposta

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção! Comentários abusivos e desrespeitosos serão deletados. Nem tente.

Post Top Ad

Your Ad Spot