Bolsonaro é empossado como presidente da República - Blog do William

Blog do William

Blog do William - Notícias de Chapadinha e do Baixo Parnaíba Zap: (98) 99210-7825 Anapurus, Mata Roma, Brejo, São Bernardo, Santa Quitéria, Urbano Santos, Belágua, São Luís, Milagres do Maranhão, São Benedito,

Home Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Your Ad Spot

terça-feira, 1 de janeiro de 2019

Bolsonaro é empossado como presidente da República

Extra

Posse de Bolsonaro
Jair Bolsonaro (PSL) foi empossado presidente da República às 15h10 desta terça-feira (1 de janeiro de 2019), pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira, logo após fazer um juramento em que prometeu cumprir a Constituição. Em seu discurso de posse, Bolsonaro prometeu "construir uma sociedade sem discriminação ou divisão". E afirmou que irá "libertar definitivamente" o Brasil "da corrupção, da criminalidade, da irresponsabilidade econômica e da submissão ideológica".
— Aproveito este momento solene e convoco, cada um dos Congressistas, para me ajudarem na missão de restaurar e de reerguer nossa pátria, libertando-a, definitivamente, do jugo da corrupção, da criminalidade, da irresponsabilidade econômica e da submissão ideológica".
CLIQUE NAS GALERIAS DE FOTOS:
CERIMÔNIA DE POSSE
BOLSONARO RECEBE FAIXA DE TEMER
MOMENTOS DE MICHELLE BOLSONARO NA POSSE DO PRESIDENTE
A FESTA POPULAR NA POSSE DE BOLSONARO
Ele também disse que irá "respeitar as religiões e nossa tradição judaico-cristã".
— Vamos unir o povo, valorizar a família, respeitar as religiões e as nossas tradições judaico-cristãs, combater a ideologia de gênero, conservando nossos valores. O Brasil voltará a ser um país livre das amarras ideológicas. Pretendo partilhar o poder de forma progressiva, responsável e consciente. De Brasília para o Brasil, do poder central para estados e municípios.
Enquanto assinava o termo de posse, um dos presentes no plenário perguntou se Bolsonaro está se casando. E o presidente respondeu:
— Estou casando com vocês.
Em discurso, o presidente do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira (MDB-CE), disse que a população deposita seus desejos de mudança na figura do chefe do Executivo. Mas ressatou que, para governar, o presidente da República deve obediência à ConstituiçãoFederal e às leis em vigor. Eunício também ressaltou a importância do diálogo e do respeito na política.
— Embora vivamos num regime federativo, com poderes independentes e harmônicos, é inegável que a Presidência da República tem um simbolismo que a torna o centro da maior parte das reivindicações. Típico de um país presidencialista, em que a população tradicionalmente deposita em sem presidente a esperança de que ele tudo pode mudar. Os governantes dependem, em primeiro lugar, da nossa Constituição e das leis em vigor — alertou.
Apesar da orientação da segurança do governo, o presidente manteve a tradição e desfilou em carro aberto da Catedral de Brasília até o Congresso. Após a cerimônia no parlamento, Bolsonaro irá ao Palácio do Planalto onde receberá a faixa presidencial de Michel Temer, que está deixando o cargo.
A Esplanada dos Ministérios recebeu público de todo o Brasil para a posse. De ônibus, avião e em caravanas, apoiadores do presidente eleito começaram a chegar a Brasília no fim de semana.
O empresário André Rhouglas conta que chegou à Praça dos Três Poderes por volta de 6h30. Pegou um lugar na grade, na frente da rampa do Palácio do Planalto, onde Bolsonaro receberá a faixa.
- O importante é estar no meio do povo, no sol na chuva. Mostrar apoio para Bolsonaro, para o Sérgio Moro, para mudar o Brasil - disse ele, que veio de Belo Horizonte, carregando um cartaz com fotos do futuro ministro da Justiça.
Até as 14h desta terça-feira, um total de dez chefes de estado haviam confirmado presença na posse. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, também participam 12 chanceleres, três vice-presidentes, três representantes de organismos internacionais e 18 "autoridades diversas".
Está confirmada a participação dos presidentes de Portugal (Marcelo Rebelo de Sousa), Paraguai (Mario Abdo Benítez), Uruguai (Tabaré Vasquez), Chile (Sebastián Piñera), Bolívia (Evo Morales), Cabo Verde (Jorge Carlos Fonseca) e Honduras (Juan Orlando Alvarado) , além dos primeiros-ministros da Hungria (Viktor Orbán), Israel (Benjamin Netanyahu) e Marrocos (Saadeddine Othmani).
Poucas horas antes da posse, Bolsonaro publicou um vídeo no Twitter, pedindo o apoio da população para que possa "mudar o destino" do Brasil.
— Quero, em primeiro lugar agradecer a Deus por estar vivo. Depois, a você, cidadão brasileiro, pelo apoio e confiança em nosso trabalho. Nós pretendemos, sim, mudar o destino do nosso Brasil. Mas, para tanto, precisamos continuar tendo o seu imprescindível apoio — diz Bolsonaro no vídeo.
Em seu discurso de posse, no Congresso Nacional, Bolsonaro prometeu "construir uma sociedade sem discriminação ou divisão". Ele também disse que irá "respeitar as religiões e nossa tradição judaico-cristã". Enquanto o presidente assinava o termo de sua posse, um dos presentes no plenário perguntou se ele está se casando. Bolsonaro respondeu:
— Estou casando com vocês.
Em seu discurso na cerimônia de posse , o presidente do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira (MDB-CE), lembrou que a população deposita seus desejos de mudança na figura do chefe do Executivo. Mas ressaltou que, para governar, o presidente da República deve obediência à Constituição Federal e às leis em vigor.
— Embora vivamos num regime federativo, com poderes independentes e harmônicos, é inegável que a Presidência da República tem um simbolismo que a torna o centro da maior parte das reivindicações. Típico de um país presidencialista, em que a população tradicionalmente deposita em sem presidente a esperança de que ele tudo pode mudar. Os governantes dependem, em primeiro lugar, da nossa Constituição e das leis em vigor — alertou.

Chegada ao Congresso

Jair Bolsonaro acompanhado da primeira dama
Jair Bolsonaro acompanhado da primeira dama Foto: RICARDO MORAES / REUTERS

Bolsonaro desfilou em carro aberto na Esplanada dos Ministérios. Durante o trajeto, ele fez sinal de arma com as mãos. Aplaudido na chegada e acompanhado de seu vice, o general Hamilton Mourão, ele participa de sessão no Congresso Nacional.
Apesar do forte esquema de segurança utilizado para a posse do presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira, uma falha na segurança no ponto mais próximo ao parlatório causou confusão entre a Polícia Militar e o público presente.
Uma abertura na grade permitiu que alguns presentes, não credenciados para o evento, pudessem acessar a área, que fica bem próxima ao parlatório, de onde Bolsonaro irá discursar para a população.
Com receio de invasões, a PM tentou conter e retirar o público do ponto mas alguns presentes se recusaram a sair. A confusão foi dispersada mas um cordão de segurança feito pela PM-DF se posicionou no local.
Autoridades se atrasam para cerimônia no Congresso
"Brasileiro deixa tudo mesmo para cima da hora". A frase, seguida de um suspiro, é de uma das pessoas que trabalham na recepção montada na entrada do Congresso Nacional para receber as autoridades convidadas para a posse do presidente Jair Bolsonaro. Apenas 10% dos que receberam o disputado convite passaram pela porta principal do prédio no período marcado.
A expectativa era deixar a recepção aberta entre 13h e 14h . Pelo atraso geral, o cerimonial alongou o tempo para receber convidados. Como o volume de gente que chegou até as 14h45 era muito baixo, estender o prazo foi a única saída. Na portaria principal, há nove detectores de metal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção! Comentários abusivos e desrespeitosos serão deletados. Nem tente.

Post Top Ad

Your Ad Spot