Acusados de canibalismo vão a júri popular hoje no fórum do Calhau - Blog do William

Blog do William

Blog do William - Notícias de Chapadinha e do Baixo Parnaíba Zap: (98) 99210-7825 Anapurus, Mata Roma, Brejo, São Bernardo, Santa Quitéria, Urbano Santos, Belágua, São Luís, Milagres do Maranhão, São Benedito,

Home Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Your Ad Spot

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Acusados de canibalismo vão a júri popular hoje no fórum do Calhau


Rones Lopes da Silva, Enilson Vando Matos e Geovane Sousa Palhano foram denunciados pela morte de Edson Carlos, em 2013, no Complexo de Pedrinhas

Acusados de canibalismo vão a júri popular hoje no fórum do Calhau

Os acusados de canibalismo, homicídio, tortura e esquartejamento, Rones Lopes da Silva, Enilson Vando Matos Pereira e Geovane Sousa Palhano, vão sentar na manhã desta sexta-feira, 13, no banco dos réus do Fórum Desembargador Sarney Costa. A vítima deles foi o presidiário Edson Carlos Mesquita da Silva, assassinado no dia 23 de dezembro de 2013, no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.


O julgamento vai ser presidido pelo juiz do 4º Tribunal do Júri de São Luís, José Ribamar Goulart Heluy Júnior. Durante a sessão, os acusados serão ouvidos, assim as testemunhas, seguidas da defesa e dos representantes do Ministério Público. Somente depois dessa etapa, o magistrado vai proferir a sentença.

Geovane Palhano também responde a duas ações penais na Comarca de Bacabal, enquanto Enilson Vando a um processo na 4ª Vara do Tribunal do Júri de São Luís. Rones Lopes da Silva, por sua vez, responde a duas ações na 4ª e na 3ª Varas do Tribunal do Júri da capital.

Denúncia

Conforme a denúncia do Ministério Público, o crime ocorreu na tarde do dia 23 de dezembro de 2013 e teria sido motivado por rivalidade entre facções criminosas dentro do presídio. Na cela 1 do bloco “C” do presídio São Luís II, no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, os denunciados e outro detento (já falecido) mataram Edson Carlos Mesquita da Silva.

Após o crime, eles esquartejaram, vilipendiaram seus restos mortais (canibalismo) e destruíram o cadáver, conforme apontado na certidão de óbito, laudos de exame cadavérico e exame no local. Os restos mortais foram encontrados dentro de sacos de lixo e só foram identificados devido a uma tatuagem que a vítima tinha nas costas.

Uma das testemunhas declarou em juízo que todos os acusados são integrantes de uma facção criminosa contrária a de Edson Carlos Mesquita que teria sido assassinado com uma faca artesanal. Os denunciados teriam retalhado o corpo, assado e comido o fígado da vítima, oferecendo ainda aos demais detentos.

do Imirante.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção! Comentários abusivos e desrespeitosos serão deletados. Nem tente.

Post Top Ad

Your Ad Spot