Violência policial não diminui ocorrência de crimes no RJ, aponta estudo do Ministério Público

Levantamento descarta haver relação direta entre redução de crimes contra a vida e contra o patrimônio com aumento da força policial no estado. Em um ano, homicídios dolosos tiveram queda de 21,5%, enquanto mortes provocadas pelas policiais aumentou em 16% no mesmo período.


Um estudo realizado pelo Centro de Pesquisas do Ministério Público do Rio de Janeiro (CENPE/MPRJ) afirma que o aumento do número de mortes em ações policiais não tem relação direta com a redução da criminalidade no estado. Ao comparar dados sobre a violência, a pesquisa diz que a letalidade policial não provoca queda no número de crimes.

De um total de 39 AISP (Áreas Integradas de Segurança Pública, que são modelos de integração geográfica entre as Polícias Civil e Militar), apenas cinco - Queimados, Nova Iguaçu, São Gonçalo, Macaé e Angra dos Reis - representam, juntas, 42% da queda verificada em todo o estado. Entre estas, somente Queimados e São Gonçalo viram aumentar as mortes por intervenção policial, respectivamente em 9,4% e 13,2%. Nas demais, houve queda da violência praticada pelos agentes de segurança. 

Quando comparados os oito primeiros meses de 2019 ao mesmo período do ano passado, verifica-se que o número de homicídios dolosos teve queda de 21,5% no estado. Em contrapartida, as mortes por intervenção policial aumentaram em 16%.

“O Rio possui a polícia mais letal do Brasil, embora não esteja dentre os dez estados mais violentos do país”, enfatizou a pesquisadora do CENPE/MPRJ. 

do G1.globo.com


Atenção! Comentários abusivos e desrespeitosos serão deletados. Nem tente.
EmoticonEmoticon