Mães adolescentes não recebem auxílio de R$ 600 e temem veto de Bolsonaro

Meninas foram consideradas inelegíveis pelo governo por terem menos de 18 anos, um dos requisitos obrigatórios para receber o benefício

A estudante Victória Eugênia, 17, mãe de garoto Jorge Henrique, de 1 ano e 8 meses. Ao lado, o pai, Jorge Filho

  Mães adolescentes, ou seja, menores de 18 anos, estão desamparadas pelo governo federal em meio à crise do novo coronavírus e clamam pelo auxílio emergencial de R$ 600.

Números mais recentes do IBGE apontam que a cada sete (15%) bebês nascidos em 2018, cerca de um a mãe tinha menos de 19 anos.

Apesar de o benefício ser pago em dobro (R$ 1,2 mil) a mães chefes de família, as jovens não podem nem mesmo fazer o cadastro, pois são barradas na regra da menoridade, visto que uma das exigências é ter mais de 18 anos.

O Senado Federal aprovou, no último dia 22, um projeto que amplia o alcance do benefício para mais de 70 categorias. As mães adolescentes foram incluídas.

do Metropoles


Atenção! Comentários abusivos e desrespeitosos serão deletados. Nem tente.
EmoticonEmoticon