Santa Quitéria Urgente! PM acaba de prender homem acusado de matar namorada em Brasília; crime teve repercussão nacional

Por William Fernandes - sábado, 23 de março de 2019 - às 14h40

O Homem acusado de ter matado a namorada em Brasília, no último domingo (17) foi preso no início da tarde deste sábado, 23, na cidade de Santa Quitéria/MA, informou o 16º BPM ao Blog do William Fernandes.

Antonio Alves Pereira, de 50 anos, foi preso por PMs de Santa Quitéria, com apoio de uma equipe de Chapadinha, composta pelo Tenente Allan, Cabo Henrique e Soldado Lima.

De acordo com a polícia, Alves estava em frente à residência de sua família quando foi localizado. Além de não esboçar reação, ele teria confessado o crime. O acusado disse aos policiais que matou a namorada, Maria dos Santos Gaudêncio, de 52, por que vinha sendo ameaçado de morte por ela.

Alves já foi conduzido para Chapadinha. Após prestar depoimento no 3º DP ele será levado ao CDP, onde ficará à disposição da Justiça.

Um crime cometido no domingo passado, 17 de março, em Brasília, teve repercussão nacional. Diversas matérias foram exibidas tanto em grandes portais como em emissoras de TV, em rede nacional.

SIABA MAIS SOBRE O CRIME:

Suspeito de feminicídio no DF disse que ganhou na loteria e pediu demissão após crime




Suspeito de feminicídio no DF mandou mensagem para patrão dizendo que havia ganhado na loteria — Foto: Polícia Civil/ Divulgação
Uma mensagem de WhatsApp enviada pelo cabeleireiro Antônio Pereira Alves, de 50 anos, para o dono do salão onde trabalhava, no Distrito Federal, é uma das pistas seguidas pela Polícia Civil que coloca Alves como principal suspeito pela morte da namorada Maria dos Santos Gaudêncio, de 52
Ela foi encontrada morta dentro de casa, na noite de terça-feira (19). De acordo com a investigação, Maria foi morta com um golpe na nuca, no domingo (17).
Na segunda-feira (18), Alves pediu demissão dizendo que havia ganhado na loteria. Disse ao patrão que tinha deixado a chave de casa, doado as roupas e a máquina de cortar cabelo – e que iria embora (veja mensagem acima).
Depois disso, o cabeleireiro não foi mais visto. Ele e Maria namoravam há pouco mais de um ano e, segundo parentes, não tinham nenhum histórico de violência.
No domingo, dia do assassinato, eles almoçaram na casa de uma das filhas de Maria, em Ceilândia. No domingo, o cabeleireiro foi visto saindo da casa da vítima, no Itapoã, por volta das 23h.

‘Vontade de matar alguém’

Maria dos Santos Gaudêncio, vítima de feminicídio no DF, em foto com o namorado que é o principal suspeito pelo crime — Foto: Polícia Civil/ Divulgação
De acordo com depoimentos dados à Polícia Civil, no sábado (16), um dia antes do crime, Alves pediu para “acertar o salário” com o dono do salão onde trabalhava. Ele teria dito que iria para a casa de um primo que havia morrido, em Goiás. Mas uma frase do cabeleireiro chamou a atenção.
“Ele disse que estava com vontade matar alguém, sem dizer a quem se referia, informou uma testemunha.”
Em outra mensagem enviada para o patrão, na segunda-feira – depois da morte de Maria – Alves mostra parte do suposto bilhete de loteria premiado. Ele explica que ainda não havia conferido o resultado do jogo feito na semana anterior.
Mensagem de WhatsApp enviada por suspeito de feminicídio para o patrão, no DF, antes de desaparecer — Foto: Polícia Civil/ Divulgação
Mensagem de WhatsApp enviada por suspeito de feminicídio para o patrão, no DF, antes de desaparecer — Foto: Polícia Civil/ Divulgação

Filha encontrou corpo da mãe

Maria dos Santos Gaudêncio morava com uma das filhas. Foi a filha quem descobriu o corpo.
A jovem não dormiu em casa no domingo. Na segunda-feira, viu que a porta do quarto da mãe estava trancada, mas disse que não tentou abrir.
Ela contou ao policiais que na terça-feira foi para a aula e só voltou a noite. A casa estava do mesmo jeito, segundo relato à polícia, mas a jovem teria sentido um forte cheiro vindo do quarto e decidiu arrombar a porta.
Até o começo da noite desta quarta-feira (20), o suspeito Antônio Pereira Alves continuava foragido.
Fachada da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá) do Distrito Federal, — Foto: TV Globo/Reprodução
Fachada da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá) do Distrito Federal, — Foto: TV Globo/Reprodução

Atenção! Comentários abusivos e desrespeitosos serão deletados. Nem tente.
EmoticonEmoticon