PCdoB adotará “nome fantasia” que encobre o termo “comunista”

Arte: Gui Prímola/Metrópoles

Legenda virará Movimento 65. Na nova marca, saem o vermelho, a foice e o martelo e entram o verde e o amarelo

om quase 100 anos de história, o PCdoB adotará uma nova marca em 2020. Encobrindo as palavras “partido” e “comunista” de sua sigla, a legenda passará a adotar a expressão “Movimento 65”, que enfatiza o número do partido que pretende lançar em 2022 a candidatura à Presidência da República do governador do Maranhão, Flávio Dino.

A ideia inicial era mudar o nome do partido, suprimindo os dois termos. Houve resistência de filiados e a adoção do “nome fantasia” representa um recuo na intenção de alguns membros da sigla de se livrar do termo para formar um movimento mais amplo contra o atual presidente, Jair Bolsonaro.

De acordo com integrantes do PCdoB, a marca a ser usada na publicidade institucional trará, em vez do vermelho, as cores verde e amarelo como predominantes. Saem também a “foice e o martelo”, símbolo da luta das classes trabalhadoras urbana (martelo) e rural (foice) e que representa tanto o movimento socialista, como o comunista.

A nova marca já foi encomendada e faz parte dos planos da legenda de lançá-la em janeiro de 2020. A data, no entanto, ainda não foi marcada.

A ideia tem semelhança com a concertação feita pelo Partido Comunista Português (PCP) que ampliou seu leque de atuação, agregando o Partido Ecologista – “Os Verdes” – e formando a Coligação Democrática Unitária (CDU), em 1987.

Na época, símbolos comunistas foram evitados na logomarca da CDU, que concorreu a várias eleições entre 1987 e 1989. Em 2009, a sigla voltou a incorporar as marcas dos dois partidos que formaram o grupo e adotou a sigla PCP-PEV.

Trabalhistas
O objetivo do partido é atrair a filiação de lideranças trabalhistas presentes em outros partidos, principalmente os ligados à chamada ala brizolista do PDT, que resistem ao termo comunista.

A nova sigla também é mais palatável aos integrantes do antigo PPL, legenda incorporada pelo PCdoB em maio deste ano que tem entre seus nomes o filósofo João Vicente Fontella Goulart, filho do ex-presidente João Goulart, que foi deposto pelo regime militar, no golpe de 1964. Goulart Filho é o atual vice-presidente da legenda no Distrito Federal.

Outro atraído pela perspectiva de adoção do “nome fantasia” foi o deputado federal Brizola Neto, neto de Leonel Brizola, que foi Governador do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul. Brizola Neto será o nome da legenda para o cargo de prefeito do Rio de Janeiro, nas eleições que ocorrem em outubro.

O documento do partido que informa sobre a criação do novo nome deixa claro o interesse em ampliar o leque de candidaturas em todo país para as eleições municipais. “Dispõe-se a construir um movimento eleitoral e cívico amplo, de caráter frentista — Movimento 65 —, um lugar para os lutadores e lutadoras das causas da classe trabalhadora e do povo, intelectuais e agentes culturais progressistas, líderes da sociedade civil. Todos(as) terão lugar no Movimento 65 para se candidatar nas eleições municipais de 2020”, diz a nota pública endereçada aos filiados.

A ideia é a mesma que foi defendida nas eleições de 2018 pela então candidata a vice, na chapa do petista Fernando Haddad, Manuela D’Ávila: a criação de uma frente ampla de esquerda, contra o bolsonarismo.

“Ameaça artificial”
A ex-deputada Jô Moraes (PCdoB-MG), que integra a executiva nacional do partido e foi candidata a vice-governadora de Minas Gerais na chapa encabeçada pelo petista Fernando Pimentel, explica que a intenção do partido é driblar o cenário artificial propagado principalmente pelo governo de Jair Bolsonaro, que insiste na ideia de uma “ameaça comunista” sobre o país.

“A gente vive um momento em que o diálogo com a sociedade tem que se renovar na dimensão das exigências que a sociedade apresenta. Vivemos dias em que há necessidade de reafirmação para alcançar a cláusula de barreira em 2022 e, para isso, é preciso fazer uma discussão amplificada com pessoas do campo democrático, com sentimento progressista”, enfatizou.

“Eu não chamaria nem de ‘nome fantasia’ mas de uma nova expressão para melhor dialogar com a sociedade e deixar mais claro o sentido do nosso partido, que vai completar 100 anos e que tem a cara do Brasil”, explicou.

A ex-parlamentar defende a mudança e acredita se tratar de apenas uma forma de se desvencilhar dos “inimigos” inventados por parte dos detratores do partido e das esquerdas.

“Parte da elite desse país faz a sua política criar inimigos, criar adversários e parte dessa mesma elite de tendências fascista tem o hábito de criar uma fantasia de que há uma ameaça comunista, criando um cenário artificial. Isso aconteceu durante a ditadura militar. Não é de hoje que isso acontece. Hoje se intensificou com o Bolsonaro. Com essa nova marca, nós queremos afirmar a visão democrática, nacionalista e libertária que PCdoB sempre representou”.

do Portal Metrópoles

Atenção! Comentários abusivos e desrespeitosos serão deletados. Nem tente.
EmoticonEmoticon