Estudante constrói sistema de baixo custo para produção de biogás em zona rural do Maranhão

O biogás produzido nesse biodigestor pode ser aproveitado em fogões a gás das residências.


Projeto foi realizado por estudante de Química da Universidade Estadual do Maranhão — Foto: Arquivo Pessoal

Um estudante da faculdade de Química, no Maranhão, construiu um biodigestor anaeróbio de baixo custo de produção de energia a partir de resíduos orgânicos, sem agredir o meio ambiente. Wraní Tupinambá Pinheiro de Souza construiu um biodigestor com capacidade de mil litros em uma propriedade rural na cidade de Pinheiro, a 333 km da capital.

“No Maranhão, não existe um projeto igual a este. Nós fizemos um biodigestor de valor acessível baseado em um manual, mas aprimoramos o projeto para que pudéssemos ter uma produção maior de biogás. O custo total do projeto não ultrapassou o valor de R$ 1.550 reais e construímos de modo mais sofisticado, com uma ampola no núcleo”, apontou Wraní.

De acordo com Wraní, o biogás produzido naturalmente nesse projeto pode ser aproveitado nos fogões a gás da propriedade e os donos terão uma economia considerável na compra de gás de cozinha. “Esse gás é mais barato e tem mais qualidade do que o gás butano vendido comercialmente”, ressaltou.

Para produção, a matéria é decomposta pela ação de bactérias anaeróbicas e, durante o processo, quase todo o resíduo é convertido em biogás dentro de determinados limites de temperaturas, teor de umidade e acidez em um ambiente impermeável ao ar.

Além do biogás produzido, outros produtos resultam da biodigestão como o biofertilizante, que pode ser usado na otimização do solo para cultivo agrícola, contribuindo para o saneamento ambiental.

Outra opção é gerar energia elétrica, por meio de gerador elétrico acoplado a motores de explosão. Os motores podem ser adaptados também ao consumo de gás e combustível para residência rural próxima ao local de produção do biogás.

“A biodigestão anaeróbia é uma tecnologia social alternativa mais indicada para o meio rural, em pequenas fazendas e sítios onde existam algumas cabeças de gado. Esse gado produz dejetos que liberam muito metano, um gás com potencial poluidor de aquecimento global vinte e uma vezes maior do que o dióxido de carbono. Os benefícios dessa tecnologia são o fator socioeconômico e o ambiental”, destaca a orientadora do projeto, Silvana Lourença, da Universidade Estadual do Maranhão.

do g1.globo.com

Atenção! Comentários abusivos e desrespeitosos serão deletados. Nem tente.
EmoticonEmoticon