Perícia mostrou que carro usado no crime não era o do pai de Ayrton Pestana; houve muita comemoração por parte da família, no momento em que o jovem deixou a prisão


Perícia concluiu que o carro usado no crime não era o do pai dele. 

Por William Fernandes- quinta, 18 de junho de 2020

O jovem Ayrton Pestana, preso na última terça, suspeito de ter sido o autor do disparo que matou o publicitário Diogo Campos, sobrinho-neto de José Sarney, durante briga de trânsito (Veja aqui), deixou a prisão na noite desta quinta, 18. Ele estava preso na penitenciária de Pedrinhas.



Um laudo do ICRM – Instituto de Criminalística concluiu que o carro do pai dele, um Argo vermelho, não foi o mesmo usado pelo assassino.



De acordo com informações, o carro do pai de Ayrton passou a manhã toda na Avenida Venceslau Brás, no local onde funciona uma oficina, em que o jovem estava trabalhando com o pai, Vanderley Pestana.

Alguns detalhes, segundo a perícia, diferenciam os dois veículos: um deles é modelo comum, o outro é drive; um tem limpador traseiro, o outro não; o carro usado pelo assassino tem fumê nos vidros, o do pai de Ayrton não tem.

Atenção! Comentários abusivos e desrespeitosos serão deletados. Nem tente.
EmoticonEmoticon